martes, 7 de abril de 2009

O norte da boca

Existe o amor no norte da boca
Ali no gomo ao lado do sulco
Esconde os dentes
Para que não me mordas
Desesperançado
Mas que é de não esperar?
As ounces do amor, quem mede?
As juras do amor, quem pede?

Não e sim vivem saindo da boca
São bocados
Do que em sânscrito significaria:
Eu não é você.

(Aos nativos australianos perguntaram os colonizadores ingleses, ao verem, saltando, o animal com a bolsa na barriga: What is this?
E os nativos responderam: Kanguru (Eu não sei.)


Justo, não é verdade
Claro, ninguém sabe

Sabe a boca a mel e alcaparras
Num jantar motivado
E incongruente

(Eu, não; é você.)

2 comentarios:

Anónimo dijo...

Adorei! Então, aquela boca é uam foto na real, e tem haver com o post abaixo de um livro de moda que sempre leio e tem uma citação bem bacana sobre... BATOM! Beijão N

Cínthya Verri dijo...

que lindoooo
Ai, sis,
te amo