lunes, 5 de enero de 2009

Estrangeira

Página 2

"Desfaço e faço a mala. Tua vida é brihante, dizem as unhas azuis e o cantor. Serão nove horas planando no vagão, o trem vai, corta os campos até a costa do Uruguay. Mais uma rodada. Documento, tíquete, borrrachinha de cabelo, pulseira da Plaza Serrano, tênis de Florianópolis, e o anel.Contou o Amyr Klink que, até casar, não tinha casa. Dormia no chão. Eu, bem... não exatamente. Durmo numa cama com estampas do Pequeno Príncipe. E aquele planeta em que ele regava a flor. Era uma rosa?"

Este livro é ruim, pensa P.

1 comentario:

Cínthya Verri dijo...

aaaaaaaah, eli.
faremos um show ainda nessa vida.
que bem.
te amo much luv
tu sis